Arquivo

Archive for the ‘Ideias’ Category

Por que tem tanta gente feia no ônibus?

junho 19, 2012 5 comentários

Segundo Aristóteles, isso pode ser explicado numa rápida equação.

Dadas as definições:
o pessoas feias e/ou que não se cuidam.
I pessoas belas e que agradam aos olhos
Q a população pobre
i a população rica.

A fórmula de ÔNIBUS (do grego Honibuz) é H = (capacidade do ônibus de Q + Q ao quadrado).

“Primeiramente vamos chegar a uma grande conclusão” dizia Ari, o filosofo. “como podemos ver pela letra Q (população pobre), ela é basicamente feita de ‘o’ e um pequeno tracinho (meio torto, não podendo ser classificados como pessoas belas e sim indefinidos seres humanos). ‘O’ é a população feia. Ou seja, a população pobre é formada de gente feia.”

“A letra ‘i’ possui apenas um pequeno pingo, ou seja, é formada sim por ‘o’ (pessoas feias), mas em minoria, praticamente imperceptível. O resto da letra é formada de ‘I’, ou seja, pessoas belas.”

Com essas definições chegamos à maior conclusão já feita pelo ser humano:

TODO POBRE É FEIO, MAS NEM TODO FEIO É POBRE

“A fórmula do ônibus é formada por Q (pessoas pobres) pela maioria, já que, apenas Q precisa usar este meio de transporte com freqüênciae com isso, toda pessoa no ônibus é feia.”

Não reclamem comigo, foi o ARISTÓTELES que escreveu isso.

Anúncios

A culpa do ano passar “voando” é de nós mesmos

março 22, 2012 Deixe um comentário

Todo fim de ano vem aquele puto falar: “nossa, como esse ano passou rápido!”. Mas é claro, meu amigo, você ficou ansioso.

É comum a criação de “resolutions” (esqueci como fala em português) quando um ano novo chega. Mas isso não altera em nada a velocidade que um ano passa, afinal, são coisas pro ano todo, não em uma data específica.

Quando você descobre que alto realmente legal ou algo importante vai acontecer em semanas ou meses, automaticamente você quer que aquele momento chegue logo. Rola uma ansiedade foda. E a vontade daquele momento chegar faz com que você mande um foda-se pro tempo que você tem nos dias até esse momento.

Basicamente, você passa a fazer de tudo que aquele dia chegue logo. Isso já acontece naturalmente com todos com a espera do fim de semana, independente se algo especial acontecerá, rola uma ansiedade pelos dias de “folga”.

Quem nunca dormiu numa tarde pra noite chegar mais rápido porque nela aconteceria algo legal?

Um exemplo nesse ano aconteceu comigo. Todos ouviram falar que o iOS 5 causou algumas instabilidades na bateria dos iphones em geral. A Apple anunciou que faria um evento onde apresentaria o novo iPad e por boatos, o iOS 5.1, que melhoraria a bateria drasticamente. E tais boatos aconteceram mais de 1 mês antes do evento.

Foi só a Apple anunciar a data do evento e eu passei a querer que todos os dias restantes até o evento morressem todos e explodissem. A minha ansiedade FEZ o mês passar mais rápido.

É psicológico. Todo dia até o dia que você tento espera nao passa de um dia qualquer, e de certa forma você aproveita menos.

Fiquei sabendo que o Aerosmith pode lançar um álbum no próximo semestre. Resultado? A ansiedade começou a crescer. Mas dessa vez serei mais inteligente, vou esquecer totalmente. Até porque isso não afeta tanto minha vida.

Até agora, isso me explica grande parte do “ano passar rápido”. Vai lá curtir seu dia e foda-se o fim de semana. Com 90 anos você terá dormido cerca de 30. Isso já seria o suficiente pra deixar qualquer um puto.

Hakuna Matata (porque aquela frase em latim que eu to há 10 minutos procurando e não achei. Opa, achei, carpe diem. carpe diem é coisa de boiola).

[texto escrito pelo iPhone, não tenho nem idéia se tem coesão, nexo, gramática correta, etc]

You’re about to change your future

outubro 5, 2011 Deixe um comentário

Uma das coisas mais fantásticas da vida é o futuro e como ele está interligado com as ações que você já fez ou está fazendo exatamente agora.

Inclusive, há uma cena no filme “O Curioso Caso de Benjamin Button” que mostra bem isso: uma sequencia de fatos fez com que a Daisy fosse atropelada, sendo que, se uma só coisinha tivesse sido evitada, o taxi que a atropelou teria passado normalmente pela rua bem antes da Daisy atravessar.

Enfim, na maioria das vezes, esse é o futuro incerto. Você não planeja nada daquilo. Como eu ia saber que a Daisy ia ser atropelada se eu demorasse mais pra entrar no carro?

Porém, há também um futuro planejado, ou previsto.

Quando eu era criança, brincava dizendo que sabia prever o futuro, com os dizeres: “Eu sei prever o futuro: daqui três segundos eu vou te dar um soco no ombro” e três segundos depois… Um soco no ombro do pobre infeliz amigo meu – ou até minha mãe (eu não perdoava ninguém com minhas bizarrices).

De certa forma eu previ o futuro. Não sabia exatamente como seria aquele soco ou a reação da pessoa, mas o soco foi dado, de fato. Isso acontece porque temos a ideia da reação do que vamos fazer, como quando enchemos um copo d’água e sabemos que ele ficará cheio. No caso do soco, eu sabia que ia dar o soco, era algo certo (a não ser que a pessoa fugisse).

Eu passei a criar esse pensamento esse ano. Eu tive que decidir se começava a trabalhar como estagiário ou não, continuava fazendo o que sempre fazia antes. Eu SABIA que toda a minha vida e rotina mudariam dali pra frente caso aceitasse. Não que eu fosse um completo vagabundo e não fizesse nada (eu fazia bastantes coisas até), mas eu mudaria completamente minha vida.

Passei a usar minha casa quase como um hotel, onde quase não fico mais direito (nem nos fins de semana), conheci MUITA gente nova, aprendi muitas coisas das quais jamais pensei que ia aprender e ri de situações das quais sequer existiriam se eu tivesse dito “não”.

Então quando eu tive a chance de dizer “sim” ou “não”, eu entrei em pânico, pois aquilo era um futuro planejado. “I was about to change my future”, eu estava prestes a mudar o meu futuro. Eu teria uma rotina fixa a partir do “sim”.

Eu tenho essa chance novamente agora, pois terei a chance de mudar de escola (se com sorte passar) e consigo imaginar como seria tudo diferente.

Vai ver isso acontece comigo porque sou muito pessimista. E já até falei sobre isso uma vez por aí na internet: é muito pior criar expectativas boas para algo e aquilo não dar certo (deixando você na merda, deprimido) do que acreditar que tudo vai dar errado e no fim dar tudo certo (você fica feliz em níveis incontáveis).

E o que eu quis dizer com tudo isso, afinal?

Que é legal pensar que o futuro é, sim, muitas vezes previsível. Afinal, os tempos verbais do futuro existem por um motivo. Pense bem em cada coisa importante que for fazer.

Aliás, após pensar nisso, decidir e viver a sua nova escolha, pare pra imaginar como seria se não tivesse feito a escolha. E aí, seria melhor ou pior?

(sem tempo pra corrigir o texto)

Eu sinceramente não sei mais como cumprimentar as pessoas

setembro 11, 2011 Deixe um comentário

A globalização está aí. Fazemos coisas e agimos como pessoas na China e nos EUA fazem coisas e agem. Além disso, criamos nossa própria globalização. Criamos nossos meios de comunicação, de interagir, mas uma coisa tem me deixado ponderado.

Eu não sei mais como cumprimentar as pessoas.

Tudo começou com o “aperto de mão”. Sim, você o conhece. Ele é o antigo ‘handshake’, usado até mesmo formalmente. Então veio os ‘hand slaps’, onde você cumprimentava o seu nobríssimo amigo com não um aperto de mão, mas sim um leve tapa com as respectivas palmas das mãos. Opa, não para por aí, surgiu uma versão 2.0 desse onde dois tapas ocorrem, sendo que o segundo ocorre com as palmas das mãos em posição vertical. E novamente ela se modificou para sua versão 3.0, onde esse segundo tapa ocorre com as mãos fechadas, como uma “pedra” do Jo-ken-po.

Era tão simples...

Mas não para por aí, não! Quem nunca cumprimentou alguém que não apenas fez um handshake com você como também segurou a sua mão de uma forma diferente, como se o seu polegar fosse um canudo, enquanto você segura a mão do companheiro de forma semelhante? E o high five? O famoso tapa com a mão aberta que pegamos lá dos THE IU ÉS EI.

Não podemos deixar passar em branco aqueles outros cumprimentos onde há diversas variações de acordo com uma época, tendo até mais de três toques em um só cumprimento. Faggot stuff.

Aliás, ainda temos as garotas, as belas garotas, por que me esqueceria delas? Um simples beijo no rosto, não é mesmo?

NÃO. NÃO MESMO.

Amigo, tudo isso acima vira uma confusão tão grande que eu acho que eu já cumprimentei uma pessoa de três jeitos diferentes ao mesmo tempo. O maluco vem com um HIGH FIVE enquanto eu tento fazer um handshake. Constrangido, o cavalheiro percebe o momento frágil e  prepara sua mão para um handshake. TOO BAAAAD, eu já fiz o High five. E isso se repete e varia de todas as formas possíveis. É tão difícil dar oi!

Sugerido pelo amigo @PedrooB_ em boa hora

MAS POR QUE DIABOS TANTOS CUMPRIMENTOS? Apesar de tudo, Eu tenho a solução!

Cheguei a uma conclusão: a partir de hoje farei somente PEITINHO, independente do sexo. Não acontece essa bagunça que é  na hora de escolher qual dos cumprimentos realizar. Chega de bagunça. Um ‘peitinho’ no “oi, bom dia, como o senhor está?” e um outro ‘peitinho’ no “tchau, querido amigo!“. Resolvido.

Projeto “Um Carnaval melhor para todos”

fevereiro 6, 2011 Deixe um comentário

É chegada a hora. As férias estão acabando e o ano vai realmente começar agora e … Espera aí. Tem um evento aí que tá atrapalhando.

Como sou uma pessoa boa de coração, e apesar de não ser patriota DE FORMA ALGUMA, passei cerca de dez minutos criando um projeto que sugere a melhora do país chamado Brasil nessa época do ano. Acompanhem comigo:

PROJETO “UM CARNAVAL MELHOR PARA TODOS” 2011 

APOIEM!

Ingredientes:

  1. Buscar contatos da Al Qaeda;
  2. Após o contato, encomende cerca de cem bombas com capacidade de explosão médiaa;
  3. Encomende uma mini-gun*;
  4. Contrate pessoas de empresas aéreas;

Processo:

  1. Plante uma bomba em cada escola de samba de São Paulo e Rio de Janeiro enquanto não há ninguém lá (não queremos mortos);
  2. Exploda as bombas;
  3. Observe o desespero dos membros das escolas de samba com todo seu material destruído;
  4. Ordene as pessoas de empresas aéreas que impeçam o vôo dos seguintes grupos e cantores(as) para a Bahia: Ivete Sangalo, Claudia Leitte, Parangolé, e similares;
  5. Observe o desespero dos vagabundos que não querem trabalhar no feriado e vão para Micaretas;

Consequências boas:

  • Aumento de até 30% no PIB Brasileiro devido ao trabalho não comum na semana do Carnaval;
  • Diminuição de 90% de confirmação de gravidez em Fevereiro/Março;
  • Diminuição da contração de AIDs e DSTs em até 150% no primeiro semestre;
  • Aumento de até 10% no ensino escolar de escolas públicas e as que liberam seus alunos na semana do Carnaval;
  • O povo em si evita festas com gente feia, fedida, e que consome líquidos e comidas da pior qualidade;
  • Patrocinadoras – marcas – muito putas por não terem arrecado milhões do povo no Carnaval Bahia/SP/RJ.

Consequências ruins:

  • Povo muito puto;
  • Escolas de samba muito putas por terem perdido o trabalho feito o ano todo;

Como vocês perceberam, o projeto apenas ajuda os brasileiros a terem uma vida melhor e saudável, evitando gravidez indesejada, abortos, queda na economia e queda no ensino. Isso prova o quanto Carnaval é a festa mais inútil do Brasil.

*Obs: A mini-gun deve ser adquirida apenas por diversão. Afinal, ter uma mini-gun em casa deve ser a coisa mais legal do mundo, e você podia aproveitar o contato com a Al Qaeda para comprar uma.

Divulguem o projeto. Obrigado.

__

Update Importante: PUTA QUE PARIU, A CIDADE DO SAMBA PEGOU FOGO! EU SÓ ESTAVA DE BRINKS! PQP! LEVARAM A SÉRIO! PQP!

Update 2: Em minha defesa, considere que contatos com a Al Qaeda + envio das bombas levariam semanas. Considere também que meu blog tem 30 visitas por dia 😦